Você está aqui: Home » Blogs » Blog do Leitor » A busca de nossa identidade

A busca de nossa identidade

* Fernanda Blaya Figueiró

carteira-identidadeSemana passada meu marido recebeu uma visita da “Neguinha”, uma velha amiga, ela entre outras coisas buscava notícias, perguntou se por acaso ele teria alguma fotografia de sua infância em Cachoeira do Sul. Quando me relatou isso dizendo que não acreditava ter nenhum documento eu imediatamente lembrei que tinha sim, ela aparecia numa antiga fotografia entre as crianças que comemoravam um aniversário seu. Ontem tivemos tempo de revisar os álbuns guardados e encontramos quatro fotografias em que ela está e uma em que aparece sua mãe.

“Neguinha”, meu primeiro apelido, logo minha xará, hoje é formada em biblioteconomia e conta que todos seus filhos estão bem e levam uma boa vida. Inclusive meu marido, sem saber, estava indignado com um de seus filhos que andou fazendo um gol no Inter. Uma das coisas que me chamou atenção nesta história foi ela relatar que não recorda de si mesma. Esse papel de construção da auto imagem que a fotografia faz é vital para a memória. Essas fotografias estão guardadas por anos e contam preciosas histórias, nelas ela vai se encontrar sorridente e de olhos brilhantes, fazendo posses que recordam Michel Jackson quando criança.

Uma infância feliz, que deve ter tido seus desafios, mas que a conduziu a uma vida de sucesso. Revendo os álbuns muitas coisas aparecem, sábado assisti ao filme “Amor” e numa das cenas a protagonista solicita as fotografias e se emociona com a beleza da vida “A longa vida” conclui ela, uma idosa que enfrenta uma doença terminal. A beleza da vida é isso alguns momentos de felicidade registrados na memória em fotografias.

Um velho amigo nosso “Seu Baiano”, aos oitenta e tantos anos enfrenta também a perda de energia que a velhice traz. Há poucos anos viuvou e tem no carinho da família o apoio e o cuidado que precisa neste momento em que suas forças começam a faltar. Trabalhador e sonhador, foi ele quem conduzia a construção de nossa casa, acho que para o Baiano o céu vai ser um canteiro de obras na companhia dos amigos e um baile com a sua Dona Eva. Jogador de futebol do Esporte Clube Avenida, na juventude, obreiro pela vida a fora. Foi um dos trabalhadores que ajudou a erguer o Beira-Rio mesmo sendo gremista até a alma. Eram outros os tempos. Adora contar histórias e ouvir boa música, principalmente “Samba de Gafieira”.

Conta que há muitos anos foi contratado para trabalhar no Barro Vermelho, para quem não conhece um distrito de Cachoeira e que no fim de semana se arrumou todo e foi se divertir, chegou no Baile e foi informado que não poderia entrar pois era um baile só de Branco, perguntou então onde teria outro lugar, perto da barca tinha um outro clube.  Quando chegou lá foi informado que também não poderia entrar pois era um Baile só de Negros. Perdeu a noite e nunca mais esqueceu a história. Seu Baiano nasceu nas Minas, logo um gaúcho nato, ganhou o mundo e com dona Eva construiu uma linda família.

O que une essas histórias? Uma antiga teia de relacionamentos que vai moldando as histórias de uma comunidade. Eu lembro que nos fundos da Padaria do Comércio havia um Clube “O Independente” que era frequentado só pela comunidade Negra e se dedicava ao carnaval e os outros, principalmente o Comercial, que na minha juventude já aceitavam associados de todas as etnias.Todos a baixo dos trilhos, lá “no alto” tinha uma outra vida social, praticamente desconhecida para mim. Mas a música passava pelas paredes e a cidade inteira ouvia o samba, as modinhas, as valsas, boleros, o rock, a música clássica…

Nos dias de hoje, ainda bem, isso não existe mais. A necessidade de contar essas história é a de manter esses tempos vivos e aprender com eles as coisas boas e não permitir que as ruins retornem a acontecer. O Brasil está enfrentando uma epidemia de uso de drogas e tenho certeza que vai vencer, assim como novos desafios irão aparecer e assim é a vida, feita de desafios, como a simples busca de uma imagem que nos diga como nós éramos e ajude a formar a identidade de quem somos.

* Fernanda é escritora 

Foto: cantinhodaunidade.com.br

Deixe um comentário

Jornal Correio Rural de Viamão | Rua Marechal Deodoro, 274, Centro, Viamão/RS | Fones: (51) 99430-5151, 98529-8759