Você está aqui: Home » Blogs » Blog dos Esportes » Autoridade, deslize e a triste seleção

Autoridade, deslize e a triste seleção

inSolidez

Mesmo sem Leandro Damião, lesionado e, Oscar, na seleção, o Internacional não tomou conhecimento do então líder Vasco da Gama, fez valer o fator local, jogou com autoridade, goleou e, ainda, transformou o arqueiro rival, Fernando Prass, em um dos destaques da partida. Os 3 x 0 (gols de D’Alessandro, Índio e Tinga), advindos da atuação sólida da equipe é um indício de que os colorados podem sim, sonhar com uma vaga na Libertadores. O desafio é não oscilar tanto como nas últimas rodadas. Será que é possível? Veremos!

Craque

Entre as boas notícias da tarde, entre elas, a atuação segura da defesa e a alta rotatividade da meia-cancha, destaque especial para o meia D’Alessandro. Desde a sua chegada ao Brasil, poucas vezes vi o argentino tão inspirado quanto ontem. Com dribles, retenção, lançamentos, passes, conclusões e até gol, o camisa 10 honrou o número que veste, justificou a fama de craque e foi o protagonista da vitória. Como bom castelhano, D’Ale, como é chamado pelos companheiros, é aquele típico jogador que cresce em grandes partidas. Sem Damião, a importância de D’Alessandro triplica para os colorados. Contra o Vasco, o canhoto deu conta do recado e com sobras.

Grupo

Os ingressos de Tinga e João Paulo, que participaram do terceiro gol, ilustram muito bem um dos maiores trunfos do Inter: o seu qualificado grupo de jogadores. Além deles, havia no banco, o outrora capitão Bolívar, além do meia-atacante Zé Roberto, que ficou à disposição depois de longo período no Departamento Médico. É lógico que para tudo existe um ônus e, no caso do Inter, ele recai na alta folha de pagamento do clube, que beira os R$ 6 milhões/mês. No entanto, o fato pode ser visto como custo/benefício, desde que jogadores com altos salários justifiquem sua estada no Beira-Rio, o que nem sempre ocorre.

Finalmente

Antes tarde do que nunca! É assim que podemos nos referir ao ingresso do jovem João Paulo, no segundo tempo. Destaque gaúcho na Copa Audi, realizada na Alemanha, o atleta havia sido arquivado sob alegações que realizava maus treinamentos. Felizmente, para os colorados, Dorival deu nova chance ao meia, que foi um dos destaques por sua intensa movimentação e velocidade. João Paulo é artigo raro. Falando nisso, está na hora da direção renovar o contrato do guri. Afinal, notícias apontam que a multa rescisória é quase insignificante, tratando-se de um jogador de imenso futuro quanto ele. Abre olho, direção!

Deslize

Embalado pela sequência de três vitórias, a última contra o Santos, na semana passada, o tricolor foi a Curitiba enfrentar o melhor ataque da temporada. Logo que a bola rolou, as preocupações da semana se justificaram e o time do capitão Tcheco (ele mesmo, ex-Grêmio) mostrou maior volume de jogo que acabou refletindo o escore da disputa. Final, Coritiba 2 x 0.

Mazelas

A derrota trouxe à tona algumas mazelas do time de Celso Roth, entre eles, a ineficiência do ataque, vergonhosamente, o segundo pior do certame. Para piorar a situação, o centroavante Brandão, lesionou-se e o treinador mandou a campo o volante Adílson, reacomodando Diego Clementino no comando de ataque. Depois disso, na segunda etapa, promoveu a estreia do jovem Yuri Mamute, 16 anos, que sozinho no ataque só conseguiu soar a camisa 7 que herdou do ex-goleador Jonas. Assim, o que já era difícil, tornou-se impossível!

Solução

Para buscar dirimir a falta de gols, a “velha aposta da vez” poderá ser o centroavante André Lima. Em que pese as críticas sobre o carioca, o camisa 99 ainda é o melhor atleta da função no Olímpico, na minha modestíssima opinião. No entanto, como a maioria dos centroavantes da galáxia, é fundamental que a bola chegue em condições para o arremate. Do contrário, Lima vai continuar computando atuações discretas e longe de balançar as redes. Portanto, o sucesso do centroavante passa necessariamente por Douglas, Marquinhos e Escudero.

Referência

Destaque nas últimas partidas, o meia Marquinhos não conseguiu substituir Douglas na tarefa de ser a referência técnica da equipe. Ocupando uma função mais centralizada que a habitual, o camisa 19 esteve perdido, pouco produziu e só marcou sua atuação pela agressão no lateral Jonas – que pecou pela falta de esportividade ao dar um lençol (ou chapéu, ou balãozinho) no gremista após a partida já estar parada. Ainda bem, para os gremistas, que na próxima partida, volta Douglas. Além de sua capacidade técnica, o camisa 10 possibilita que Marquinhos retorne a sua função cotidiana, o misto entre meia e volante e, jamais, como centro técnico da equipe.

Tabela e situação

Com a vitória, os colorados ocupam 7ª posição com 43 pontos e estão a seis da zona da Libertadores. Na próxima quarta-feira, feriado nacional, vão a Barueri enfrentar o São Paulo, às 16h. Por sua vez, o tricolor é o décimo colocado com 39 pontos. No mesmo dia e horário, recebe o Figueirense no Olímpico. Boa sorte à dupla!

Seleção

Para quem já viu um ataque formado por Ronaldo e Romário, já viu nas laterais, Cafu e Roberto Carlos, é constrangedor ver o atual selecionado nacional. Com um futebol para lá de burocrático, com meias que não se movimentam, volantes que não acertam um passe de dois metros, o time de Mano Menezes está longe de honrar a tradição da “amarelinha”. Após a “acachapante” vitória de 1 x 0 sobre a Costa Rica, o “desafio” da vez é contra os Mexicanos, na próxima terça-feira, em mais um “extraordinário” amistoso-caça-nível ajeitado pela CBF. Não pensem que sou saudosista e saibam que dou graças a Deus por não ter visto Garrincha, Pelé e nem Zico. Do contrário, aí mesmo, que não me daria o “luxo” de assistir Ralf, Adriano e Luiz Gustavo. É dose pra Mamute – não o do Grêmio, mas aquele ameaçado de extinção, mesmo!

Foto: Mauro Schaefer – Correio do Povo

Deixe um comentário

Jornal Correio Rural de Viamão | Rua Marechal Deodoro, 274, Centro, Viamão/RS | Fones: (51) 99430-5151, 98529-8759