Você está aqui: Home » Blogs » Fátima

Fátima

(LEIA NO BLOG DETALHES – MILTON SANTOS, JORNALISTA)>>>>

FÁTIMA===

Uma data significativa para a fé cristã dos católicos é celebrada no dia 13 de maio. Dia dedicado a Nossa Senhora da Fátima, cujas invocações marianas surgiu com base nos relatos das aparições reportadas por três pastorinhos no lugar denominado Cova da Iria, na Freguesia de Fátima, em Portugal. De acordo com os testemunhos das três crianças videntes de Nossa Senhora, a primeira aparição da Virgem Maria ocorrera no dia 13 de maio de 1917 e o fenómeno repetiu-se durante seis meses seguidos, sempre no dia 13 (excetuando-se o mês de Agosto, em que ocorreu no dia 19), até 13 de outubro de 1917. No último fim de semana, em Fátima, houve a presença do Papa Francisco, que canonizou àqueles (já falecidos) que tiveram a visão da Santa perante mais de 500 mil pessoas. Sempre que o cristão faz uma prece invoca um Santo para ajudá-lo para os seus pedidos serem atendidos. Para dignificar a data, deixo para o leitor o texto abaixo de autoria desconhecida:

“Sonhei que fui para o céu e um anjo estava me mostrando o lugar. Caminhávamos lado a lado por um escritório cheio de anjos. O anjo que me acompanhava parou em frente à primeira seção e me  disse: “Essa é a seção dos recebimentos. Aqui, todos os desejos pedidos em oração são recebidos”. Olhei ao redor e estava tudo muito movimentado, com muitos anjos selecionando pedidos em volumosas folhas de papel e recados de gente do mundo todo.
E aí continuamos a descer por um longo corredor até chegarmos à segunda seção. Então o anjo me disse: “Essa é a seção de empacotamento e entregas. Aqui, as graças e bênçãos pedidas pelas pessoas são processadas e entregues aos vivos que pediram por elas”. Havia muitos anjos trabalhando muito naquela seção, pois muitas bênçãos tinham sido pedidas e estavam a ser empacotadas para a entrega na Terra.

Finalmente, ao final mais distante daquele corredor, paramos em frente a uma porta de um pequeno lugar. Para minha surpresa, havia somente um anjo sentado, sem fazer nada. “Essa é a seção do reconhecimento”. Intrigado perguntei: “Mas não há nenhum trabalho sendo desempenhado aqui”?  “É mesmo muito triste”, o anjo suspirou. “Depois que recebem as bênçãos que pediram, poucos retornam a essa secção de reconhecimentos”. “Mas podemos reconhecer as bênçãos de Deus?”, perguntei-lhe. “Sim, basta dizer: Obrigado, Senhor”, respondeu-me o anjo.
“E quais bênçãos deveriam ser reconhecidas?” eu perguntei. Respondeu-me: “Se você tem comida em sua geladeira, roupas sobre você, um teto sobre você e uma cama para dormir, você é mais rico do que 75% desse mundo. Se você tem dinheiro no banco, na sua carteira, e o troco de uma refeição, está entre os 8% de afortunados do mundo. Se acordou hoje de manhã com mais saúde do que doença, você é muito mais abençoado dos que não conseguirão ao menos sobreviver ao dia de hoje. Se nunca teve de provar o medo em uma guerra, a solidão da prisão, a agonia da tortura ou pontadas de fome, está acima de 700 milhões de pessoas nesse mundo. Se podes ir passear sem temer assédio, prisão, tortura ou morte, você é invejado e mais abençoado que três bilhões de pessoas no mundo todo. Se teus pais estão vivos e ainda juntos, você é ainda mais raro.  Se podes erguer sua cabeça e sorrir. Você é único dentre aqueles todos em dúvida e desespero”.
Quero que você receba as bênçãos de Nossa Senhora de Fátima. Ao ler esta crônica saiba que você é muito especial pois és mais abençoado do que mais de dois bilhões de pessoas no mundo que não conseguem ao menos ler.

O PRECIOSO LÍQUIDO

Já faz um tempo que desenvolvem-se discussões, estudos e até celeumas com  relação a preservação dos recursos hídricos.

De fato, o crescimento populacional no mundo é algo que preocupa não tão somente à destruição das zonas de florestas e de poluição do ar, mas também, e principalmente, pela aniquilação dos mananciais hídricos que fornecem a água para a sustentabilidade da vida humana e animal. Principalmente no que se refere à água potável, que é um percentual baixo no mapa do aquífero mundial.

É com frequência que aparecem no noticiário informações de avanço de construções com aterramento de regiões até então ocupadas por lagos e fontes que, assim, desaparecem para dar lugar a edificações. Não que isso seja ruim, afinal, o crescimento populacional enseja que as pessoas busquem local para residir, mas isso deveria obedecer critérios bastante sólidos para não destruir o potencial hídrico. E as constantes críticas é com relação à desobediência das normas legais e éticas.

E a prova de que a água já faz falta, é a ocorrência de conflitos que estão fugindo das arenas públicas de discussões e passando para as peleias corporais entre aqueles que buscam o líquido precioso. Ou seja, aquilo que não é crível já está ocorrendo, ou seja, a briga pela água.

Recentemente, a Comissão Pastoral da Terra fez publicação que revela que os conflitos por água aumentaram 150% no país nos últimos cinco anos. Os registros saltaram de 69 para 172 ocorrências no período analisado. Apesar da abundância (que ainda é aparente) de água no território brasileiro, isso demonstra que esses recursos não estão disponíveis de maneira a atender a demanda de toda a população. O crescimento aponta falta de gestão hídrica no país.

Pesquisa  da CPT revelou que dos 172 conflitos em 2016, 101 (58%) ocorreram por decisões de uso e preservação da água e 54 (31%) por criação de barragens e açudes. Outros 17 (10%) estão relacionados a apropriação particular. Mesmo com a implantação do Plano Nacional de Saneamento Básico há dez anos, a gestão dos recursos hídricos avançou pouco no país. Ainda não conseguimos transformar essas demandas em uma política pública do país.

Por exemplo, região Sudeste, a mais populosa do país, registra a maior parte dos conflitos segundo a pesquisa. São 68 registros dos 101. A região enfrenta desafios que, se não forem resolvidos, poderão ampliar ainda mais essas disputas por água.

Então, necessário se torna a cada dia a máxima de cuidado: uso da água de maneira consciente e a denúncia quando houver destruição de mananciais.

Deixe um comentário

Jornal Correio Rural de Viamão | Rua Marechal Deodoro, 137, sala 206 - Centro, Viamão/RS | Fones: (51) 3485-1313.